Publicado por: Mário Matos | 09/01/2010

Lhasa de Sela

O nome exótico dava corpo a uma música também exótica, interpretada por uma voz estranha, por vezes gutural, mas recheada de paixão. Lhasa de Sela era filha de mexicana e americano-judeu-libanês (!), teve uma infância e juventude itinerante, de saltimbanco, a correr pelos EUA e o México pela mão dos pais. O que talvez explique a música estranha, uma fusão das tradições mexicanas com incursões rock e klezmer. Cantava em espanhol, francês e inglês.

Morreu com a chegada do ano novo, a 1 de Janeiro, em Montreal, Canadá, vítima de cancro da mama, aos 37 anos. Deixou três CDs que vale a pena ouvir: La Llorona (1997), The Living Road (2003) e Lhasa (2009).

Descanse em paz.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: